sexta-feira, 26 de agosto de 2016

O Imenso Adeus, de Raymond Chandler

Terminei há instantes mais um livro da mítica Coleção Vampiro, reeditada em maio deste ano (surgiu primeiramente, em finais dos anos 40, e editou cerca de 700 títulos). 

Sinopse:
Terry Lennox parece estar finalmente a deixar para trás os dias de torpor alcoólico, quando a sua mulher milionária aparece morta. Obrigado a abandonar Los Angeles a toda a pressa, recorre àquele que sabe ser o seu único amigo: Philip Marlowe, detetive privado. 
Marlowe está decidido a ajudar um amigo em apuros, mas logo lhe chegam notícias de que Lennox se suicidara no México e tudo se torna ainda mais negro. Marlowe vê-se arrastado para um ambiente sórdido de ricos adúlteros e alcoólicos, que desfilam aos tombos pelo elegante e soalheiro Idle Valley de LA. 
Está convencido de que Lennox não matou a mulher, mas com quantos mais cadáveres terá de se deparar antes de descobrir a verdade? 

Publicado originalmente em 1953, "O Imenso Adeus" é considerado pela crítica o mais ambicioso romance de Raymond Chandler e aquele que mais inequivocamente dá provas de que o seu talento literário se estendia muito além da simples construção de um mistério policial.

É, literalmente, um livro que se lê de uma "penada", apesar das suas 416 páginas, em formato de bolso. 
Posteriormente, e para escrever este texto, pesquisei mais um pouco sobre o autor e sobre este livro, e descobri que serviu de base para o filme policial noir de 1973, The Long Goodbye. Segundo informações da Wikipédia, o argumentista permitiu-se a algumas "liberdades" criativas e o filme situa-se nos anos 70, e não nos anos 50, como no livro, entre outros arcos que foram eliminados, ou alterados. 

Definitivamente, um livro a ler. 

Série "Dark"

Nestes dias de férias, terminei a série "Dark", da autoria de Anthony E. Zuiker, criador da série televisiva CSI,
Já tinha lido há uns meses o livro interativo "Grau 26" (pode ser consultado aqui). Neste livro, éramos apresentados ao maior caçador de monstros (leia-se assassinos em série psicopatas), Steve Dark. No livro, o "monstro" era Sqweegel, classificado com o maior grau de perigosidade: grau 26. 

Entretanto, "despachei" A Profecia Dark e As Revelações de Dark. Estes livros, temporalmente, passam-se cerca de 5 anos após o "Grau 26". 

A Profecia Dark: 
Anos depois da morte de Sqweegel, Steve Dark tenta endireitar a vida, e tenta recuperar a filha, Sibby. Contudo, surgem novos assassinatos. E desta vez, na trama intensifica-se, pois o criminoso é especialista na arte do tarot. E Dark precisará usar toda sua astúcia para detê-lo. Apoiado por um misterioso mecenas anti-crime que lhe fornece todas as tecnologias e acesso indiscriminado às cenas de crime, será Dark bem sucedido?  


As Revelações de Dark:
No último livro, o perito criminal Steve Dark precisa combater o maior e mais perigoso serial killer de sua carreira: Labirinto. Motivados por ideologias deturpadas, seus crimes, executados com requintes de crueldade em diferentes lugares do mundo, são antecedidos de charadas, quebra-cabeças e enigmas, que anunciam os próximos alvos e atiçam a atenção da imprensa. O caso envolve inúmeras vítimas importantes, sem mencionar agências do governo... 
Cabe a Dark, juntamente com uma equipe de elite montada a partir de uma comunidade internacional de investigação, encontrar Labirinto onde quer que ele esteja, e acabar de uma vez por todas com o caos.

A grande inovação!!! 
A série de livros pode ser lida como um qualquer livro tradicional, em qualquer lugar sem acesso digital… mas à medida que história avança, um nível mais profundo de imersão pode ser feito (por exemplo no site www.grau26.com.br), exclusivamente para os leitores, que terão acesso a conteúdo digital com vídeos, áudios e elementos interativos que complementam a trama. 
A cada vinte páginas do livro, o leitor encontrará códigos que permitem conectar-se a uma ciberponte: uma cena de até três minutos, legendada, com atores de filmes famosos e séries de TV premiadas.
Pessoalmente, li "normalmente" os livros, ou seja sem complementar com os vídeos, mas confesso que fiquei com curiosidade. Mas, e realço, não sinto que perdi fosse o que fosse, sem ter recorrido a esta tecnologia. 

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Livros lidos

Tenho andado meio afastada dos meios blogueiros (bloguísticos... whatever!), é um facto; mas as 24 horas do dia, às vezes, são escassas para tudo. Melhor gestão do tempo, eu sei... eu sei...

Apesar de tudo, sempre que posso, leio. E leio muito, a sério. Estou de férias desde dia 15, e já "despachei" dois livros nestes poucos dias. Significa por isso que, tendo tempo, sou uma leitora ávida. E que saudades tinha de me puder deitar no sofá sem tarefas de maior a cumprir.

Essencialmente, li thrillers, policiais, um romance histórico e banda desenhada. Vamos ver se ainda consigo dar conta de tudo.  Começando pelos mais recentes:

Os Crimes do Bispo, de S.S. Van Dine - Coleção Vampiro 
A Coleção Vampiro está de volta. Nesta altura do campeonato, já não é novidade para ninguém.
Quando um homem conhecido como Cock Robin aparece assassinado com uma flecha cravada no peito, John Markham, procurador do distrito judicial de Nova Iorque, chama para a investigação Philo Vance. Detetive amador de olho apurado e fraca crença em coincidências, Vance logo assinala a referência a uma conhecida lengalenga infantil. E rapidamente se torna claro que este será o padrão numa série de crimes extraordinários, arquitetados por um assassino de mente perversa, que mantém uma provocação constante à polícia através de cartas enviadas aos jornais, todas elas com a assinatura "O Bispo".
Comprei três dos quatro livros desta nova "leva" da Vampiro, na Bertrand. Falta-me para já o n.º3 e mais algum que tenha saído, nos entretantos.

Os Vampiros, de Filipe Melo
Autores multipremiados da saga "Dog Mendonça e Pizzaboy", Filipe Melo e Juan Cavia voltam a colaborar num romance gráfico, desta vez sobre a guerra colonial.
Guiné, Dezembro de 1972.Em plena guerra colonial, um grupo de soldados portugueses é destacado para uma operação secreta no Senegal. Porém, à medida que vão sendo consumidos pela paranóia e pelo cansaço, esta missão aparentemente simples vai transformar-se num verdadeiro pesadelo. Embrenhados na selva, estes homens terão de confrontar sucessivos demónios — os da guerra e os que trouxeram consigo.
É um livro BRUTAL. Imagino que, quem me tivesse visto a ler banda desenhada, devesse ter pensado que era impróprio para uma mãe de família, mas tratando-se do Filipe Melo, estava-me nas tintas. O livro não é para meninos, aviso já. E a opinião do pessoal cá de casa: daria um filme fabuloso. 

Maigret e a Jovem Estrangulada, de Georges Simenon - Coleção Vampiro
Este livro custou-me uma pequena fortuna. É mentira. Foram 50 cêntimos numa feira de velharias, e será, mais ou menos, dos anos 80. Comprei mais 2 ou 3.
O inspetor Maigret tem vindo a ser procurado por uma jovem que diz que, a casa onde vive com uma velha e inválida tia, tem sido invadida durante a noite. Durante semanas seguidas, a jovem angustiada procura o inspetor e queixa-se. Maigret relativiza. Até que um dia, desiste de esperar que ela a receba.
Maigret, com um peso na consciência, procura a jovem em casa e encontra morta, a tia. Pouco tempo depois, a jovem aparece também morta, estrangulada num armário, nas instalações da polícia. 
Maigret, obviamente, quer encontrar o responsável pelas mortes. 

A Conspiração da Aranha, de James Patterson
Gary Soneji ocupa o cargo de professor de matemática num dos mais prestigiantes colégios de Washington, D.C., frequentado pelos filhos de políticos, da elite social metropolitana e por isso mesmo, altamente segura por agentes dos Serviços Secretos norte-americanos. O aparentemente pacato professor de matemática sempre soube que seria alguém. Merecedor da confiança de pais e alunos, Soneji achou que era chegada a hora de pôr em prática do seu maquiavélico plano, e surpreende tudo e todos quando rapta duas crianças,
Soneji não pretende um simples resgate para os poderosos pais reaverem os seus filhos, ele pretende muito mais, um lugar que só os grandes alcançam: um marco na história, a sua vida contada em livro, pela mão de Alex Cross. Alex Cross é detective de polícia em Washington, D.C., psicólogo especialista em estabelecer perfis de criminosos e aclamado autor de bestsellers policiais. A sua fama precede-o, mas à medida que o tempo passa e que cada caso é resolvido, sente-se mais e mais cansado da desgastante tarefa de entrar na cabeça de cada criminoso que encontra no seu caminho.
Alex trabalha no caso com Jezzie Flannigan, responsável pelo corpo dos Serviços Secretos que deviam proteger e vigiar o colégio. Uma das crianças aparece, mas morta.
erá Gary Soneji vítima de um grave distúrbio psicológico ou um manipulador brilhante com soberbos dotes dramáticos?

As Gémeas do Gelo, de S. K. Tremayne 
Lydia e Kirstie tinham 6 anos e eram gémeas idênticas. Quando Lydia morre acidentalmente na queda de uma varanda, os pais mudam-se para uma pequena ilha escocesa, na esperança de reconstruírem, com a filha que lhes resta, as suas vidas dilaceradas.
Mas um ano depois, a gémea sobrevivente acusa os pais de terem cometido um erro e afirma que quem caiu da varanda foi Kirstie e não ela.
Na noite em que uma tempestade assola a ilha e deixa mãe e filha isoladas, elas dão por si a serem torturadas pelo passado e por visões inexplicáveis, que quase as levam à loucura. O que terá acontecido realmente naquele fatídico dia em que uma das gémeas morreu?


O Mercador de Livros Malditos, de Marcello Simoni 
Este é já o terceiro livro deste autor que leio. O Mercador de Livros Malditos é uma história envolvente, marcada por intrigas, segredos ocultos durante séculos e mistérios que vão para lá do conhecimento de sábios e de alquimistas.
Ao longo das suas páginas o leitor viaja por Itália, França e Espanha no rasto do Uter Ventorum, um livro raro, desmembrado em quatro partes e protegido por intrincados enigmas que, uma vez resolvidos, permitem evocar os anjos e a sua divina sabedoria.
Gosto de comparar os livros de Simoni a "O Nome da Rosa": os mistérios, a sensação de ambiente obscuro, carregado e pesado. Aconselho vivamente a quem gosta do género.