segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Mais quatro livros com a marca "check"

Sempre a mesma desculpa, Cristina Maria. Que nervos! "Falta de tempo!", não é?! Mais valia dizeres que o cão tinha comido o teclado do computador, p'l'mor de Deus!

Mas falta de tempo para vir aqui escrever, não significa falta de leituras, como é óbvio. Mas, para uma pessoa que ganha a vida a escrever, parar de trabalhar e vir escrever as suas leitura, às vezes - mas só às vezes - é um bocadinho chover no molhado. E a isso, juntar os afazeres da casa... estão a ver a minha vida.

Nas últimas semaninhas, li uns quantos livros. Apontei os nomes para depois não me falhar nenhum, como seria "certinho e direitinho".

Livro 1
Hora Zero, de Agatha Christie
Este é um daqueles livros que, apesar de já o ter visto retratado na televisão, dá (de tal forma) a volta à nossa mente que já pouco me lembrava quem era o "mau" da fita. E é um daquele pequenos (enormeeee) achado da literatura policial.
Resumo da Wikipédia: Triângulos amorosos abundam entre os convidados de Lady Tressillian. Mr. Treves começa a falar de crianças assassinas e de marcas inconfundíveis. Em seguida, ele morre, aparentemente de ataque cardíaco.
Pouco depois, a própria Lady Tressillian aparece morta também.
Entra em cena o superintendente Battle, da Scotland Yard, que com a ajuda de seu sobrinho e inspetor James Leach e dispondo de cinco dados coerentes, mas que não revelam o culpado, busca a solução do mistério.
Afinal, quando é que é a "hora zero" de um homicídio? Quando é cometido? Ou quando começa a ser delineado?

Livro 2
Mortalha da Lamentação, de Tommy Donbavand
É o dia seguinte ao assassinato de John F. Kennedy — e o rosto de pessoas mortas começa a aparecer por toda parte.
O guarda Reg Cranfield vê o pai na névoa densa ao longo da estrada Totter Lane. A repórter Mae Callon vê a avó em uma mancha de café na mesa de trabalho. O agente especial do FBI Warren Skeet se depara com seu parceiro falecido há muitos anos olhando para ele através das gotas de chuva no vidro da janela. Então os rostos começam a falar e gritar... a acusar os seus entes das piores crueldades cometidas em vida. São as Mortalhas, que se alimentam da tristeza alheia, atacando a Terra. Será que Doctor Who (e Clara, a sua actual companion) conseguirá superar o próprio luto para salvar a humanidade?

Livro 3
Grau 26, de Antony Zuicker
Sqweegel
Reconheceram o nome do autor? É o mesmo criador da mega-série "CSI". E neste livro de estreia, Zuicker recupera aquele que é, para mim, um dos vilões mais malvados que passou no "CSI", Sqweegel. É de tal forma esquivo que nem a equipa liderada, na altura por Catherine Willows (Marg Helgenberger), depois da saída de Grissom, o consegue apanhar.
Neste livro, Steve Dark, o único detective que este quase a apanhar Sqweegel, é chamado de volta para terminar a sua missão.

"Os representantes da lei sabem que assassinos são categorizados em uma escala de 25 graus de perversidade, desde os simples oportunistas do grau 1 aos torturadores metódicos do grau 25. O que quase ninguém sabe – com exceção de um grupo de investigadores de elite comandado pelo talentoso detetive Steve Dark – é que uma nova categoria de assassinos está para ser criada. Apenas um homem pertence a essa categoria.
Seu alvo: qualquer um
Seus métodos: ilimitados
Seu nome: Sqweegel
Sua classificação: Grau 26"

Não posso deixar de referir que este é um romance digital interactivo. Ou seja, no final de cada capítulo são deixadas referências para o leitor aceder ao site oficial do livro e ver, em vídeo, a interpretação dos actores que dão corpo às personagens deste livro.

Livro 4
A mina de ouro, de Agatha Christie
Uma antologia dos melhores contos de Agatha Christie. Quinze histórias extraordinárias que oscilam entre a leveza e o macabro, passando do simples mistério a obras-primas do terror e do sobrenatural. Cada história, sempre fascinante e inevitavelmente lógica, mantém o leitor em clima de suspense até o final.