quinta-feira, 16 de julho de 2015

Neil Gaiman rocks!

Os dois últimos livros que li fazem parte do currículo deste fantástico a autor britânico.

Comecei com Neverwhere: Na Terra do Nada, e terminei com Coraline - ambos já adaptados ao ecrã.

Sinopses dos livros retiradas da Wikipédia.

Neverwhere conta a história de Richard Mayhew e das suas aventuras por uma Londres obscura. No início do livro, Richard é um jovem homem de negócios escocês que vive em Londres há dois anos e está noivo de Jessica. Uma noite, quando vão a caminho de um jantar com o chefe (bastante conhecido e importante) de Jessica, esta e Richard encontram uma jovem ferida que parece ter surgido do nada. Apesar dos protestos de Jessica, Richard decide cuidar da rapariga, que se chama Door, e levá-la para sua casa, em vez de ir ao jantar.

Na manhã seguinte, Door encontra-se bastante recuperada e pede a Richard para encontrar o Marquês de Carabas, um homem que poderá ajudá-la e fugir de dois assassinos que parecem ser tudo menos humanos: Croup e Vandemar. Richard encontra o Marquês e leva-lo para o seu apartamento para se encontrar com Door, mas os dois desaparecem quase de imediato. Pouco tempo depois, Richard começa a aperceber-se de todas as pessoas que o conhecem deixam de o ver e até o seu apartamento é alugado enquanto ele ainda vive lá.

Determinado a corrigir as coisas, Richard parte para o mundo de Londres de Baixo à procura de Door. Aí, Richard encontra todo o tipo de personagens perigosas e caricatas que nunca pensou existirem.

***

Antes de começar o conto, Coraline e seus pais se mudam para um novo apartamento perto de uma floresta. Seus pais estão sempre ocupados com o trabalho e por isso lhe dão pouca atenção. Sentindo-se isolada, Coraline sai para explorar. Ela se depara com os habitantes da nova casa para onde se mudou: duas senhoras aposentadas e um senhor que treina ratos. Enquanto explora a casa, Coraline acaba encontrando uma porta trancada cuja entrada fora bloqueada por tijolos.

No dia seguinte, ela pega a chave dessa porta e a abre encontrando uma passagem que leva a um outro apartamento, duplicando o dela. Esse outro mundo que se abre é habitado por sua Outra Mãe e seu Outro Pai, que são uma réplica muito parecida de seus pais verdadeiros, exceto pela presença de botões no lugar de olhos. Esses Outros Pais parecem de início mais interessantes, divertidos e atenciosos que seus pais verdadeiros. 

No final do dia, Coraline tem que voltar para sua casa, no entanto, sua Outra Mãe lhe oferece a chance de ficar para sempre com ela nesse novo mundo. A única condição seria que Coraline costurasse no lugar de seus olhos, botões, assim como seus Outros Pais. Coraline decide que prefere ir para sua verdadeira casa e isso desaponta sua Outra Mãe. 

E é nesse momento que a vida desta menina se vê, subitamente alterada.

Já conhecia o trabalho de Gaiman de outros "carnavais", como se costuma dizer, e o certo é que nunca desilude. Com premissas que alguns poderão considerar infantis, Gaiman atribui um grau de terrível que arrepia qualquer um: quem gostaria de ver capturados botões no lugar dos olhos? Eu não...
 
Foto retirada da Wikipédia

quarta-feira, 8 de julho de 2015

As Virgens Suicidas, de Jeffrey Eugenides


Tenho andado afastada dos meus espaços blogosféricos, mas não tenho estado afastada da escrita, antes pelo contrário. E, por causa disso, às vezes, a minha disposição para pegar num livro ou no tablet diminui um pouco (mas nunca desaparece!).

E prova disso é que ontem terminei mais um livro: As Virgens Suicidas... e antes dele, terminei o 5.º livro de As Crónicas de Gelo e Fogo, como já aqui escrevi.  

Relativamente ao livro As Virgens Suicidas. Sempre tive curiosidade de ver o filme realizado por Sofia Coppola, mas nunca se proporcionou, e confesso que não sabia que o argumento era adaptado de um livro. E quando o vi disponível, não hesitei. Gostei tanto! A aura que envolve as meninas Lisbon é tão perfeitamente descrita que sofri por elas e com elas. 

Estamos nos anos 70, nos típicos subúrbios americanos, e a normalidade é interrompida quando Cecile Lisbon tenta suicidar-se. Corta os pulsos e é encontrada na banheira. Os esforços para recuperar a menina não são suficientes e algum tempo depois de sair do hospital, durante uma festa (a única festa que a casa dos Lisbon recebe!), a menina atira-se de uma janela, para a morte. 

Durante um ano, os narradores, um grupo de rapazes da vizinhança, apaixonados pelas restantes quatro meninas Lisbon - Bonnie, Mary, Therese e Lux - seguem os seus passos e reconstituem a vivência das adolescentes até ao seu quase total exílio dentro da sua própria casa. 

A visão "naïf" destes rapazes não faz prever o que se segue. Num dia, em que Lux Lisbon - a mais velha - lhes envia uma mensagem a pedir que as vão buscar, para fugirem... depois dos preparativos dos rapazes... o que eles encontram são os corpos de três das raparigas (Mary sobrevive mais um mês, e acaba por se suicidar com comprimidos). 

A casa dos Lisbon acaba por comprada por um jovem casal, e as pessoas, aos poucos, vão esquecendo a tragédia que ali aconteceu. Excepto os rapazes! 

Agora, estou pronta para ver o filme.